sexta-feira, 17 de novembro de 2017

FILME: O JOGO DA IMITAÇÃO

Prof. Douglas Barraqui

A história de alguns homens podem inspirar, é o caso de Alan Turing, o matemático britânico, que teve sua história retratada no filme "O jogo da imitação".  Alan Turing foi decisivo para a derrota do nazismo na Segunda Guerra, é conhecido como precursor dos computadores e da inteligência artificial.

Turing comandou um seletíssimo grupo de superdotados que buscava decifrar o código do Enigma, sistema criptográfico usado pelas forças alemãs para transmitir mensagens a seus homens no campo de batalha. Além desse feito inestimável, Turing legou outras contribuições importantes para a humanidade. Uma máquina criada por ele nos anos 1930 é tida como precursora do computador.

De temperamento difícil; sofreu bullying na escola; homossexual, foi duramente punido pelas leis inglesas da época; a história do matemático que mudou o rumo da Guerra e da história humana é inspiradora. 


sexta-feira, 10 de novembro de 2017

“O Nome da Rosa” - Umberto Eco

Prof. Douglas Barraqui

Umberto Eco foi um escritor, filósofo, semiólogo, linguista e bibliófilo italiano de fama internacional. Talvez sua obra mais famosa, que o tornou conhecido mundialmente,  seja o “O Nome da Rosa” publicado em 1980 e que se tornou filme em 1986 dirigido por Jean-Jacques Annaud baseado no romance.

"O nome da rosa" era uma expressão usada na Idade Média para denotar o infinito poder das palavras. O enredo de “O Nome da Rosa” gira em torno das investigações de uma série de crimes misteriosos, cometidos dentro de uma abadia medieval. É um romance ácido com uma narrativa repleta de mistérios com símbolos secretos, críticas históricas catabólicas e que é capaz de nos lançar um olhar mais ávido à Idade Média e suas contradições.


Claro, devemos lembrar que se trata de um romance. Mas, um romance com um pé bem alicerçado na história da Idade Média e da instituição mais poderosa daquele momento, a Igreja Católica. Portanto, fica a dica.

IMAGEM HISTÓRICA - DOROTHY COUNTS

Prof. Douglas Barraqui

O racismo, o preconceito e o ódio são as facetas mais perversas da humanidade. Dorothy Counts tinha 15 anos quando se tornou a primeira menina negra no colégio Harding, em Charlotte, sul dos EUA. Era 4 de setembro de 1957, e a cidade tentava a integração racial. Por cinco dias, ela resistiu a pedras, cuspe e insultos. A provação a levaria a dedicar a vida à educação e viraria uma das imagens mais poderosas na luta por direitos civis dos negros nos EUA.




quarta-feira, 8 de novembro de 2017

QUESTÕES OBJETIVAS - SOCIOLOGIA - SOCIOLOGIA PRÉ-CIENTÍFICA - POSITIVISMO


(Questão 1) (Enem 2013 MODIFICADA) (fácil)


O artista gráfico polonês Pawla Kuczynskiego nasceu em 1976 e recebeu diversos prêmios por suas ilustrações.

Na obra retratada acima, ao abordar o trabalho infantil, Kuczynskiego usa sua arte com a finalidade de nos instigar a

a) difundir a origem de marcantes diferenças sociais.
b) estabelecer uma postura proativa da sociedade.
c) a refletir sobre a desigualdade social.
d) propor alternativas para solucionar esse problema.
e) retratar como a questão é enfrentada em vários países do mundo.

(Questão 02)


Valendo-se do conteúdo sociológico contido nessa imagem, no Brasil,


a) a dificuldade de acesso aos serviços básicos provoca uma grande distância social entre os habitantes ricos e pobres.
b) a desigualdade social brasileira é um processo simples de se resolver, tendo em vista que os jornais aumentam de forma considerável os problemas existentes.
c) não existe diferenças entre os indivíduos, abandonando o conceito de classe social e a exploração, pois seu objetivo é quantificar e descrever a realidade apenas dos pobres.
d) as diferenças entre as pessoas estão presentes apenas nas classes sociais, não existindo diferenças nas relações de gênero, nas relações étnico-raciais e no grau de instrução da população.
e) o desenvolvimento do capitalismo criou as desigualdades evidenciadas na miséria e na pobreza em todo o país, mas a superação foi resolvida com as políticas de divisão de riquezas implantadas nos últimos anos pelo governo federal.

(Questão 03) (fácil)

O acesso à internet cresceu entre a população com mais de dez anos entre os anos de 2005 e 2011, enquanto o crescimento populacional foi de Apesar desses números, apenas brasileiros da mesma faixa etária não utilizam a internet.

(Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/05/1279552-acesso-a-internet-no-brasil-cresce-mas- 53-da-populacao-ainda-nao-usa-a-rede.shtml)


Em vista dos dados apresentados, os conceitos que deveriam ser utilizados para analisar e mostrar que esses dados podem ser um problema sociológico são

a) gênero e homofobia.
b) desigualdade social e inclusão digital.
c) solidariedade mecânica e solidariedade orgânica.
d) movimento social e participação política.
e) pobreza e desigualdade de gênero.

(Questão 04) (fácil)

Em 1960, os  mais ricos da população mundialdispunham de um capital trinta vezes mais elevado doque o dos  mais pobres, o que já era escandaloso.Mas, ao invés de melhorar, a situação ainda se agravou.Hoje, o capital dos ricos em relação ao dos pobres é, nãomais trinta, mas oitenta e duas vezes mais elevado.

RAMONET, I.Guerras do século XXI: novos temores e novas ameaças.
Petrópolis: Vozes, 2003 (adaptado).

Ao fazermos uma análise dos dados oferecido pelo texto, podemos concluir que as informações esboçam uma problemática relacionada a

a) expansão demográfica.
b) homogeneidade social.
c) concentração de renda.
d) desemprego conjuntural.
e) desenvolvimento econômico.

(Questão 05) (intermediária)
Se vamos ter mais tempo de lazer no futuroautomatizado, o problema não é como as pessoas vãoconsumir essas unidades adicionais de tempo de lazer,mas que capacidade para a experiência terão as pessoascom esse tempo livre. Mas se a notação útil do empregodo tempo se torna menos compulsiva, as pessoas talveztenham de reaprender algumas das artes de viver queforam perdidas na Revolução Industrial: como preencheros interstícios de seu dia com relações sociais e pessoais;como derrubar mais uma vez as barreiras entre o trabalhoe a vida.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum: estudos sobre a cultura popular tradicional.
São Paulo: Cia. das Letras, 1998 (adaptado).


A partir da análise esboçada pelo texto, percebemos que algumas atividades acabaram sendo suprimidas pela industrialização e pelas longas jornadas de trabalho. De acordo com reflexão do historiador, um argumento contrário à transformação promovida pela Revolução Industrial narelação dos homens com o uso do tempo livre é o(a)

a) intensificação da busca do lucro econômico.
b) flexibilização dos períodos de férias trabalhistas.
c) esquecimento das formas de sociabilidade tradicionais.
d) aumento das oportunidades de confraternizaçãofamiliar.
e) multiplicação das possibilidades de entretenimentovirtual.

(Questão 06) (intermediária)

Nas últimas décadas, o Brasil experimentou mudanças demográficas, sociais, culturais, econômicas e políticas significativas. A crescente inserção das mulheres no mercado de trabalho e na política, a melhoria de seu nível educacional, a redução da fecundidade, a postergação da maternidade, a redução da resistência a novos atributos para os papeis feminino e masculino são algumas delas. No entanto, os ritmos de tais mudanças parecem seguir descompassados, devido à persistência de práticas tradicionais que marcam a desigualdade salarial entre homens e mulheres, além da visão machista sobre o papel da mulher no mercado de trabalho.

Adaptado de PICANÇO, Felícia Silva. Amélia e a mulher de verdade: representações dos papéis da mulher e do homem em relação ao trabalho e à vida familiar. Em: ARAÚJO, C. & SCALON, C. (org.). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.


De acordo com o trecho acima, as desigualdades de gênero em relação a entrada da mulher no mercado de trabalho persistiriam devido à

a) maior participação dos membros masculinos nas tarefas concernentes ao trabalho doméstico.
b) representação de que não cabe apenas ao homem, enquanto chefe de família, o papel de provedor do grupo doméstico.
c) crença no fato de que o ingresso feminino no mercado de trabalho gera um prejuízo à família.
d) crítica à representação da mulher como naturalmente disposta a assumir os papéis de esposa e mãe.
e) a mulher ser considerada mais forte e mais apta a realizar atividades físicas e mecânicas.

(Questão 07) (intermediária)

Mas plantar pra dividir
Não faço mais isso, não.
Eu sou um pobre caboclo,
Ganho a vida na enxada.
O que eu colho é dividido
Com quem não planta nada.
Se assim continuar
vou deixar o meu sertão,
mesmo os olhos cheios d‘água
e com dor no coração.
Vou pró Rio carregar massas
pros pedreiros em construção.
Deus até está ajudando:
está chovendo no sertão!
Mas plantar pra dividir,
Não faço mais isso, não.

VALE, J; AQUINO, J. B. Sina de caboclo. São Paulo: Polygram, 1994 (fragmento).

A música acima, composta na década de 1960, revela o pensamento e a insatisfação do agricultor em relação a(os)

a)  distribuição desigual da produção.
b)  financiamentos feitos ao produtor rural.
c)  ausência de escolas técnicas no campo.
d)  empecilhos advindos das secas prolongadas.
e)  precariedade de insumos no trabalho do campo.

(Questão 08) (intermediária)

A história da sociologia começa com Augusto Comte, mas ele se beneficiou dos conhecimentos acumulados, previamente, por outros pensadores. Os pensadores que influenciaram Comte na formulação da sociologia foram

a) Platão e Aristóteles.
b) Parmênides e Maquiavel.
c) Descartes, Bourdieu.
d) Hebert Spance e  Saint-Simon.
e) Bourdieu e Jean-Paul Sartre.

(Questão 09) (intermediária)
Até o século XVIII, a maioria dos campos de conhecimento, hoje enquadrados sob o rótulo de ciências, era ainda, como na Antiguidade Clássica, parte integral dos grandes sistemas filosóficos. A constituição de saberes autônomos, organizados em disciplinas específicas, como a Biologia ou a própria Sociologia, envolverá, de uma forma ou de outra, a progressiva reflexão filosófica, como a liberdade e a razão.

Adaptado de: QUINTANEIRO, T.; BARBOSA, M. L. O.; OLIVEIRA, M. G. M. Um Toque de Clássicos: Marx, Durkheim e Weber. Belo Horizonte: UFMG, 2002. p.12.

Com base nos conhecimentos sobre o surgimento da Sociologia, assinale a alternativa que apresenta, corretamente, a relação entre conhecimento sociológico de Auguste Comte e as ideias proporcionadas pela era das revoluções.

a) A ideia de superioridade africana, defendida pela revolução social, foi defendida pelo Iluminismo, que influenciou o Positivismo.
b) A crença na razão como promotora do progresso da sociedade foi compartilhada pela era das revoluções e pelo Positivismo.
c) a revolução inglesa forneceu os princípios e as bases teóricas da luta de classes para a formulação do Positivismo.
d) O reconhecimento da validade do conhecimento teológico para explicar a realidade social é um ponto comum entre o Iluminismo e o Positivismo.
e) Os limites e as contradições do progresso para a liberdade humana foram apontados pela revolução brasileira e aceitos pelo Positivismo.

(Questão 10) (difícil)

Enquanto resposta intelectual à “crise social” de seu tempo, os primeiros sociólogos irão revalorizar determinadas instituições que, segundo eles, desempenham papéis fundamentais na integração e na coesão da vida social. A jovem ciência assumia como tarefa intelectual repensar o problema da ordem social, enfatizando a importância de instituições como a autoridade, a família, a hierarquia social e destacando a sua importância teórica para o estudo da sociedade.

MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia.São Paulo: Brasiliense, 2006, p. 30.


Com base no texto acima e nas discussões feitas acerca do nascimento da sociologia, podemos concluir que a transformação que marcou osséculos XVIII e XIX foi o(a)

a) manutenção social da ordem da Idade Média, que não se alterou com a Revolução Industrial.
b) organização de vários movimentos sociais controlados por pensadores como Saint-Simon e Comte.
c) elaboração de um conceito de sociologia incluindo os fenômenos mentais como tema de reflexão e investigação.
d) criação da corrente positivista, que propôs uma transformação da sociedade com base na reforma intelectual plena do ser humano.
e) surgimento de uma “física social” preocupada com a construção de uma teoria social, separada das ideias de ordem e desenvolvimento como chave para o conhecimento da realidade.

Gabarito: 

Questão 1: letra C

Muitas vezes a arte nos serve para refletirmos a respeito da realidade. Na ilustração apresentada, o artista apresenta uma situação de duas crianças que possuem uma relação dissonante com o objeto “trem”: enquanto uma é obrigada a puxar um trem “em tamanho real” (retratando o trabalho infantil), a outra somente brinca com seu trem “de mentirinha”. Tal ilustração revela as contradições da sociedade: enquanto as crianças de uma classe social são obrigadas a trabalhar, as outras podem brincar.

Questão 2: letra A

A miséria e a pobreza não deixaram de existir no Brasil. Ainda que as políticas de redistribuição de renda tenham surtido um efeito positivo, elas não foram capazes de acabar com essa desigualdade social. Assima única alternativa que pode se encaixar como certa, é a letra A.

Questão 3: letra B

A falta de acesso à tecnologia da internet por grande parte da população corresponde a um exemplo de desigualdade social. Em contrapartida, o aumento desse acesso corresponde àquilo que se convencionou chamar de inclusão digital.

Questão 4: letra C

A opção [C] é a única possível. O aumento da desigualdade social expresso no texto corresponde a uma maior concentração de renda, possibilitada pela expansão do capitalismo financeiro.

Questão 5: letra C

Pelo argumento do texto, a transformação do tempo livre em tempo de trabalho e produção fez com que as pessoas se desacostumassem a ocupar seu tempo com relações sociais e pessoais. Esse seria o desafio contemporâneo, bem expresso na alternativa [C].

Questão 6: letra C

A alternativa [C] contraria todas as outras e é a única que apresenta um fator contrário à presença da mulher no mercado de trabalho. Ao trabalhar, as mulheres passam menos tempo em casa e muitos consideram isso um prejuízo à família.

Questão 7: letra A

A frase “O que eu colho é dividido com quem não planta nada” demonstra que a insatisfação do trabalhador é com a distribuição desigual da produção. Este é um descontentamento típico de uma leitura marxista da realidade, que enxerga na luta de classes a expressão das contradições da sociedade e da exploração do homem pelo homem.

Questão 8: letra D

Dentre os precursores da sociologia podemos citar Montesquieu, Condorcet e Saint-Simon. Ainda que, esses não sejam considerados sociólogos (como Weber, Marx e Durkheim), seus modelos interpretativos e seus objetos de indagação se aproximavam muito àqueles que a sociologia tomou para si.

Questão 9: letra B

Uma das características principais do positivismo e do iluminismo é a crença na razão como promotora do progresso social. Isso se vê nas obras de muitos autores, entre eles Auguste Comte, considerado como um dos precursores da sociologia.

Questão 10: letra D

A alternativa [D] é a única correta. O surgimento da sociologia esteve relacionado ao desenvolvimento de uma física social de ordem positivista, calcada em ideais como o cientificismo, a ordem e o progresso.



ESTADOS UNIDOS NO SÉC. XIX

Prof. Douglas Barraqui

A)   ASPECTOS GERAIS:
v  Expansionismo:
v  Imperialismo:

B)    INDEPENDÊNCIA DOS EUA:
CRONOLOGIA:
v  Guerra dos Sete anos (1756-1763)
v  Massacre de Boston 1770
v  The Boston Tea Party 1773
v  Primeiro Congresso da Filadélfia 1774
v  Segundo Congresso da Filadélfia 1775
v  Independência 1776
v  Guerra de independência (1776-1783)
v  Tratado de Paris 1783

C)    EUA APÓS A INDEPENDÊNCIA:
I.                    Grupos Políticos:
REPUBLICANOS:
v  Líder: Thomas Jefferson
v  Representantes: aristocracia rural do sul
v  Defendiam o federalismo
Atualmente: PARTIDO DEMOCRATA
FEDERALISTAS:
v  Líder: Alexandre Hamilton
v  Representantes: burguesia nortista
v  Defendiam um governo forte e centralizador.
Atualmente: PARTIDO REPUBLICANO

D)   A MARCHA PARA O OESTE

I.                    GEORGE WASHINGTON: “PAI DA PÁTRIA”
1789 - George Washington é eleito primeiro presidente dos EUA  (1789–1797).
ü  É conhecido como o “pai da pátria”.
ü  Frase: “A liberdade é uma planta que cresce depressa, quando ganha raízes.”
Ø  Incentivo a conquistas da terras a oeste das Treze Colônias.
Ø  A constituição de 1787 determinava que todas as terras indígenas pertenciam à União.
O congresso vendeu milhares de hectares de terras férteis à companhias loteadoras.

II.                  Os Povoadores:
v  Caçadores de pele;
v  Agricultores e criadores de gado;

III.                O papel da Pecuária:
v  Ocupação do interior, regiões de vales e as margens de rios.
Ø  Conflitos entre agricultores e pecuaristas por disputas de território eram comuns.
Obs.: Foi esta pecuária que criou o homem típico do oeste, o cowboy.

IV.                Papel do Protestantismo:
“Nosso destino manifesto foi atribuído pela Providência Divina para cobrir o continente para o livre desenvolvimento de nossa raça que se multiplica aos milhões anualmente”.

“Os norte americanos eram escolhidos por Deus para formarem uma grande nação cristã, democrática trans-oceânica.”

INCORPORAÇÕES:
1803 - Louisiana, território que se encontrava na margem direita do rio Mississipi. O governo dos Estados Unidos pagou cerca de 5 milhões de dólares à França por esse território;
1819 - Flórida foi incorporada após ser comprada da Espanha por 15 milhões de dólares;
1819 - Minnesota - Os americanos fundaram um forte temporário em 1819. Um ano depois iniciaram a construção do primeiro assentamento em caráter permanente.
1845 - Texas, após este ter declarado independência do México, no ano de 1836;
1846 – Oregão – Cedido pela Inglaterra
1848 – Califórnia e Los Angeles - os Estados Unidos incorporaram enormes territórios a oeste após terríveis conflitos contra o México;
1867 - Alasca os Estados Unidos compraram por 7,2 milhões de dólares a região do Alasca da Rússia.

V.                  Genocídio Indígena:
“índio bom é índio morto”
General Custer
v  Conflito entre branco e indígena começa com a marcha para o oeste, pois antes os ameríndios habitavam o interior das 13 Colônias.
v  A incorporação das terras a oeste foi efetivada pelo genocídio indígena (grande parte das terras foi tomada dos índios).
v  Constituição de 1787 – Terras indígenas pertenciam a União.
v  1865 – Homestead act – (Lei de Cessão de terras) – 160 acres p/ cidadão que ocupasse por 5 anos.
v  1887 – Lei Dawes – Acabou com a propriedade tribal

E)     GUERRA DE SECESSÃO (1861-1865)

I.                    Conceito:
v  Guerra Civil norte americana:

"União" ou simplesmente "Norte".
VS
Estados Confederados da América (conhecidos como "Confederação" ou "Sul"

II.                  Fatores que levaram a Guerra Civil:
1)      Expansão territorial;
2)      Características distintas entre norte e sul;
3)      Disputas políticas:
Democratas x Republicanos
COLÔNIAS DO NORTE
COLONIAS DO
SUL
Industrializados;
Agrário;
Mão-de-obra assalariada;
Mão-de-obra escrava;
Voltados para o abastecimento interno;
Voltado para o mercado externo;
Favoráveis ao fim da escravidão;
Favoráveis a manutenção da escravidão;
Defensores do mercado interno e das medidas protecionistas.
Defensores do mercado externo e contrários a medidas protecionistas

III.                A questão escravista:
v  1820 – acordo de Mississipi – proíbe a escravidão acima do paralelo 36° 40’.
v  1822 – Compromisso de Missouri –  proíbe a escravidão acima do paralelo 36° 30’.
v  1852 – Harriet Beecher Stowe – “A Cabana do pai Tomás”.

IV.                Conflito:
v  1860 - Abraham Lincoln, representante do Partido Republicano, venceu as eleições presidenciais:
v  O ex-lenhador que chegou a advogado, Abraham Lincoln, elegeu-se pelo novo Partido Republicano.
v  Abolicionista Preocupado com a manutenção da unidade do país.
v  Em campanha Lincoln teria afirmado que:
"Se para defender a União eu precisar abolir a escravidão, ela será abolida, mas se para defender a União eu precisar manter a escravidão, ela será mantida".

v  Descontentes com a vitoria de Abraham Lincoln os estados do Sul separaram-se da União e formaram o Estados Confederados da América (conhecidos como "Confederação" ou "Sul"). A capital seria Richmond, na Virgínia. Presidente Jefferson Davis.
v  1863 - o exército da União aceitava escravos libertos.

V.                   Consequências:
1)      Os recursos financeiros do Norte foram drenados pela guerra;
2)       O sul teve sua economia arruinada;
3)      A escravidão foi abolida 1863;
4)      O processo de industrialização do norte intensificou-se ainda mais, gerando mais riqueza na região;

F)     ESTADOS UNIDOS ANTES E APÓS A GUERRA:

I.                    Discriminação Racial:
Ø  1863 – 13ª emenda à Constituição – escravidão é abolida.
Ø  1868 – 14ª emenda à Constituição – Concedeu direitos civis aos negros ao velar pela igualdade de todos perante a lei para todo aqueles nascidos nos EUA.
Grupos de brancos radicais:
v  Cavaleiros da Camélia Branca
v  Cavaleiros do Sol Nascente
v  Ku Klux Klan

II.                  A América Para os Americanos:

DOUTRINA MONROE:
Ø  A chamada Doutrina Monroe idealizada pelo presidente estadunidense James Monroe (presidente de 1817 a 1825) em sua mensagem ao Congresso em 2 de dezembro de 1823 defendia o princípio: “América para os americanos”

Ø  Doutrina Monroe consistia em três pontos:
1)      Não criação de novas colônias no continente americano.
2)      Não intervenção de países europeus no continente americano.
3)      Não intervenção dos EUA nos conflitos na Europa.

COROLÁRIO DE ROOSEVELT (1901-1909)
v  Consistiu na proteção da América de qualquer invasão externa.
v  Expansão da influência estadunidense para além do seu território.
Expansão ideológica, cultural, política e econômica

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto Teláris: história 7º ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012. CAPELLARI, Marcos Alexandre.

CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes. História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio. 1ª Ed. São Paulo: SM. 2010.

COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005.

MOZER, Sônia & TELLES, Vera. Descobrindo a História. São Paulo: Ed. Ática, 2002.

NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes. História: ser protagonista - Volume único. Ensino
PILETTI, Nelson & PILETTI, Claudico. História & Vida Integrada. São Paulo: Ed. Ática, 2002.

Projeto Araribá: História – 7º ano. /Obra coletiva/ São Paulo: Editora Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel Apolinário Melani.

Uno: Sistema de Ensino – História – 7º ano. São Paulo: Grupo Santillana, 2011. Editor Responsável: Angélica Pizzutto Pozzani.


VICENTINO, Cláudio e DORIGO, Gianpaolo. História Geral e do Brasil. Vol. Único. 1 Ed. São Paulo, Ed. Scipione, 2010.