terça-feira, 25 de setembro de 2012

O USO DE JORNAIS NAS AULAS DE HISTÓRIA




Introdução
Há partir de minhas esperiências em sala de aula e após uma boa garimpagem de livros e textos abordando o uso de jornais na sala de aula dedico esse artigo em especial para abordar como os jornais podem ser ferramentas úteis para o professor de história na sua prática de ensino. Fazendo da sua aula algo mais lúdico e apreciado pelos alunos.
Foi a partir da Escola dos Annales, no início do século XX, que os historiadores contemporâneos passaram a se mostrar acessíveis as novas fontes para se fazer história. [1] Essa abertura significativa permitiu que novas fontes e linguagens viessem também a agregar e enriquecer o ensino de história, tornando-o mais dinâmico e, por vezes, menos sistematizado em datas, eventos, heróis ou personagens.
Dentre essas novas linguagens e possibilidades podemos elencar a televisão, a internet, as revistas, os jornais e as fotografias. Alguns desses elementos só foram surgir a partir do século XX e, em um curto espaço de tempo, causaram impacto no modo e na velocidade de se produzir e reproduzir conhecimento e informação.
Este artigo dará atenção especial ao jornal, especificamente em como ele pode ser usado nas aulas de história. Trata-se de um artigo destinado à uma primeira análise, o intuito é colocar a aplicabilidade do jornal na sala de aula para o ensino de história: Se é realmente possível aprender história a partir de uma ferramenta que é fruto do presente, que carrega tendências e construções, pontos de vista, opiniões e visões de mundo diferentes em muitos dos casos. Por fim faremos uma proposta de trabalho, um plano de aula, com o uso de jornais em sala de aula na disciplina de história.
O JORNAL NAS MÃOS DO EDUCADOR: UMA METODOLOGIA
O jornal é um meio de comunicação e divulgação dos fatos. Através de suas noticias, charges, artigos, anúncios, imagens, entre outros, podemos ter um ponto de partida para uma visão não só do presente, mas, também do passado. Jornais carregam em seu conteúdo informações do presente, que tão logo serão acontecimentos e fatos do passado. Ao narrar um fato, os jornalistas fazem uma singular contribuição para os historiadores, pois seu trabalho, quando convertido em documentos, se torna uma fonte histórica única para a compreensão do passado histórico.
O professor também pode usar os jornais em suas aulas? Sim, mas, deve saber usar essa ferramenta, de modo que seu trabalho não seja diminuído em mera leitura e narrativa de um fato segundo a visão de um outro profissional. Para tanto destacamos alguns pontos que podem ajudar a orientar metodologicamente o educador que queira trabalhar com jornais em suas aulas.
O primeiro passo é escolher um eixo temático, de tal modo, que permita a relação entre diferentes processos envolvidos nas mudanças históricas. O professor deve estar ciente que ao fazer isso, também deve adequar sua escolha ao Projeto Político Pedagógico da escola e, bem como, que esse eixo temático esteja dentro do conteúdo programático da disciplina de história para o nível ou série em que pretende trabalhar. Um segundo ponto é saber o conteúdo a ser trabalhado. Os jornais trazem em suas páginas valores e conteúdos bem diversificados, o que inclui formas e diferentes maneiras de interpretar um mesmo fato. Logo, o professor tem que estar ciente de que os textos jornalísticos podem ser, além de ferramentas de ensino, mediadores entre a escola e o mundo externo ajudando os alunos a relacionar seus conhecimentos e experiências pessoais com as notícias. Um terceiro ponto, tão importante quanto o primeiro e o segundo, é explicar ao aluno alguns elementos básicos que compõem os jornais, como as diferenças entre tipos de textos – reportagens, artigos, comentários, crônicas, entre outros. O aluno terá,
também, que saber analisar anúncios, legendas, tiras, quadrinhos, gráficos, mapas e fotografias. Sem esse conhecimento prévio a atividade pode perder muitas abordagens e possibilidades. Eis então, muito além da possibilidade, a necessidade de um trabalho em parceria com a disciplina de português, matemática, geografia, entre outros, podendo tornar o trabalho interdisciplinar.
Os jornais, portanto, podem levar o aluno a formar um novo conhecimento a ampliar seu pensamento crítico e, consequentemente, sua visão de mundo. E algo que vai além, as páginas de um jornal podem formar um cidadão capaz para compreender a sociedade de forma mais crítica. Esse acúmulo de conhecimento pode partir do eixo temático que é observado, e dentro deste, do conteúdo que é lido.
O JORNAL NAS MÃOS DO ALUNO: COMO SE LÊ
O jornal carrega em suas páginas história, mas esta está truncada de tal maneira que o professor terá que ser capaz de ensinar o aluno a ordenar e compreender aquele conteúdo; ensinar a relacionar o passado com o presente, buscando as origens dos fatos, e a refletir sobre as consequências para o presente e futuro. Assim, a utilização dos jornais, particularmente os antigos, para o ensino de história, precisa levar em consideração: contextos sociais, conjunturas políticas e econômicas em que foram produzidas.
Um primeiro passo é não aceitar o texto jornalístico como uma verdade inalienável, mas sim olhar para o texto como um testemunho histórico. Testemunho este que carrega em seu conteúdo subjetividade, interpretação, ideologia e visões de mundo. A partir de então, comparar diversos jornais para ajudar os alunos a perceberem estas coisas, é um passo impar para o professor que deseja um trabalho de qualidade. Por exemplo: ao pesquisar uma greve no início do século XX – veja que o eixo temático deste exemplo são as greves do início do século XX - em diferentes jornais, podemos encontrar um que seja de orientação comunista ou anarquista – quanto a orientação do jornal, comunista ou anarquista, está relacionado com o conteúdo do que será lido. Em seu conteúdo podemos encontrar um texto carregado de ideologia, reivindicações, e com uma imagem negativa dos empresários. Já em um jornal aliado aos interesses patronais – outro exemplo de conteúdo – podemos verificar uma visão diferente; rotulando grevistas como arruaceiros, que deveriam ser punidos com o rigor da lei. Este exemplo mostra que os jornais trazem visões maniqueístas a respeito dos fatos históricos.
Assim ao utilizar os jornais como fontes de pesquisa em sala de aula, o professor terá uma responsabilidade a mais, que muito além de situar a produção jornalística em seu tempo e espaço, é ensinar o aluno ler esse jornal.

SUGESTÃO PARA OS PROFESSORES
A partir do que já foi explanado podemos lançar algumas sugestões. Estas são flexíveis e possíveis de serem adequadas, da melhor maneira possível, as necessidades e dificuldades que o professor terá em sala de aula.
Sugestão 01
Eixo temático: a transição do trabalho escravo para o assalariado, início século XX
Essa temática é um ponto chave para auxiliar o aluno a ter uma compreensão ampla das alterações econômicas e sociais do Brasil no início do século XX. De fato, a transição do trabalho escravo para o assalariado não foi um processo simples. Muitos dos recém libertos não queriam mais o trabalho árduo das fazendas e buscavam melhores opções de sobrevivência e moradia na cidades. Essa mudança culminou em problemas sociais e urbanos imediatos: insuficiência de moradias, inchaço de cortiços e, posteriormente, a opulência das favelas. O espaço no campo deixado pelos recém libertos foi ocupado pelos imigrantes. Claro que esse processo não foi algo uniforme para todas as regiões. Cada região teve sua característica distinta, suas contradições e tensões particulares, e isso foi registrado pelos jornais
da época. Sugerimos que sejam trabalhados os jornais entre 1888 e 1910, pelo fato de que 1888 é o ano da abolição da escravatura e a década seguinte ter sido a que concentrou a maior parte dos impactos desta transição.
O nível de escolaridade em que esse trabalho é recomendado é o atual sétimo ano (antiga 6ª série). Pois, além de fazer parte do conteúdo programático deste nível, nesta faixa etária, eles são capazes de compreender os impactos das mudanças no cotidiano e de se familiarizar com a leitura e pesquisa em jornais. Se preferir o professor também pode trabalhar com essa sugestão no 9º ano (antiga 8ª série), pois, a transição do trabalho escravo para assalariado, com ênfase na chegada dos imigrantes, faz parte do conteúdo programático do primeiro bimestre.
Materiais e ferramentas úteis:
Jornais atuais, jornais de época (fim do século XIX e início do século XX) [2], cartolinas e/ou papel cenário, canetas hidrográficas, cola, tesoura sem ponta, réguas entre outros materiais que podem se tornar úteis ao longo da confecção do trabalho.
Como os jornais de época podem ser adquiridos através de microfilmagens e/ou copias sugiro que os microfilmados sejam apresentados à leitura com todos os alunos com base em apresentação de slides em data show. Caso seja copias sugiro que cada grupo de alunos possa ter uma ou mais copias as sua disposição.
Duração da atividade:
A duração da atividade é muito relativa, podendo variar conforme a turma e as condições específicas de cada escola, isso inclui as necessidades de cada calendário escolar. A sugestão, com base na experiência como docente, que esta
atividade não exceda o número de dez aulas. Aulas de 50 minutos intercaladas por algumas semanas.
Primeira parte da atividade:
É fundamental que o professor saiba que este tipo de atividade está fadado a um trabalho extraclasse, pois, antes mesmo do início da atividade, ele precisará ir a campo para descobrir quais jornais e em que locais eles estão disponíveis. Igualmente é necessário que os estudantes já tenham entrado em contato, em sala de aula, com o conteúdo que será pesquisado. Recomendo uma aula prévia para a introdução do conteúdo.
Uma segunda aula poderá ser usada para explanação dos objetivos e direcionamento das atividades para os alunos: o cronograma de atividades, divisão da sala em grupos de estudo e especificar os jornais a serem pesquisados bem como o período e o local – se possível em sua cidade coordenar junto ao local onde estes jornais estão disponibilizados (arquivos, bibliotecas ou acervos dos próprios jornais) uma visitação dos alunos.
Quanto a divisão dos grupos de estudo isso depende da quantidade de alunos da sala e mais ainda do período a ser estudado. Por exemplo, o professor pode dividir a sala em seis grupos, cada grupo ficando responsável por publicações de dois anos, cumprindo o período de 1888 a 1910.
É necessário junto aos alunos estabelecer uma estratégia que facilitará e dinamizará a pesquisa. Por exemplo: definir duas publicações por semestre ou trimestre, que fique a cargo e escolha dos alunos e professor. Outra estratégia é delimitar, ainda que de forma aleatória, um dia da semana a ser pesquisado – recomendo as segundas feiras, pois costuma trazer nas publicações os fatos marcantes do fim de semana; ou ainda dos domingos que muitos jornais trazem um resumo da semana.
Este trabalho, que fique a cargo do professor e dos alunos, pode resultar na confecção de um painel, infográficos, trabalhos escritos, redações, resumos entre outras modalidades. Tudo que foi proposto acima vai necessitar de um tempo médio de duas aulas.
Segunda parte da atividade:
Está relacionada com a pesquisa dos jornais, ou seja, a ida a campo se for o caso. Ali serão feitas a seleção dos jornais e os alunos serão colocados em contato direto com fontes históricas e em até certo ponto com o trabalho do historiador no levantamento das fontes. Tempo estipulado de uma a duas aulas.
Terceira parte:
Em sala de aula, com o auxílio do professor, os grupos deverão organizar os jornais interpretar os conteúdos a partir da leitura das reportagens que estão direta ou indiretamente relacionadas com a transição do trabalho escravo para o assalariado nos diferentes jornais. Tempo estipulado duas aulas.
Quarta parte:
Cada grupo deverá apresentar suas conclusões, comparando-as com as conclusões de seus colegas. Para isso usaram a apresentação das reportagens. Tempo estipulado uma aula.
Quinta parte:
Cada grupo devera confeccionar painéis, cartazes, textos informativos, infogramas entre outras possibilidades, fica aqui a cargo do professor e do aluno escolherem em conjunto qual melhor meio de produzir o conhecimento produzido no trabalho. Recomendo que a produção de cada grupo seja ordenado em ordem cronológica para facilitar um maior entendimento e visualização dos acontecimentos. Tempo estipulado uma a duas aulas.
Objetivos da atividade:
Os objetivos do trabalho tem por caráter simples e direto, porém de uma riqueza de conteúdo e de compreensão impar:
  • Compreender que o processo de substituição do trabalho escravo pelo assalariado não foi uniforme e tranquilo.
  • Mostrar que essa transição provocou impactos sociais, culturais e econômicos, incluindo a expansão urbana e, depois, industrial.