quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

MÁSCARAS


Fiz o convite a meu amigo Paulo Veras e ele me presenteou com o fantástico artigo que você assistirá abaixo, é a mais pura verdade, diria até que inalienável. Bem, só lendo. Assim o caro leitor terá a oportunidade de tirar à própria conclusão.

Por Paulo Veras

Todos nós as usamos. Sejam de vez em quando, seja diariamente. Todos nós temos uma porção delas. As máscaras, se tornaram acessórios essenciais para nossa sobrevivência. São usadas para disfarçar uma séria de verdades: a idade, nossa verdadeira identificação, nossa identidade, nossa natureza e até nosso espírito. Podemos usa-lás no carnaval, nas festas, nas noites, no trabalho, em casa, nos relacionamentos. Sem dúvidas, as máscaras são poderosos meios de defesa.


Mas as máscaras mais perigosas, são aquelas que usamos no dia-a-dia; aquelas que não tiramos em nenhum momento. São aquelas que não são mais adereços e sim, parte fundamental de nosso caráter, de nossa personalidade. Estão tão impregnadas em nossa vida, que só não disfarçam, como transformam-nos.


Quer seja na história, quer seja na poesia, na arte, lá estão elas. A máscara possui para cada um, um significado próprio, que vai desde o sentido religioso, até o mais pessoal possível. Pode se manifestar-se desde o sagrado, até o profano, do mais cruel até o mais bondoso, do bem até o mal, indo do fraco até o mais forte.


O mais interessante das máscaras, é o poder que elas tem, de esconder o real, o que fato acontece e que por algum motivo, queremos que os outros não vejam. As máscaras são feitas, de acordo as ocasiões e os destinos. Não estão ligadas somente aos grupos, mas também aos desejos e anseios.


E nas relações é que elas de fato se fundamentam. São tão usadas que nunca conhecemos de fato quem está do nosso lado, dormindo conosco e comendo à nossa mesa. De tanto termos máscaras do lado, e que temos a necessidade de criarmos as nossas. A aceitação pela sociedade, através do que somos, só pode se dar através delas. É por isso que encontramos tanta gente que esconde, teima, mente, finge, descarta, aceita, cobra, nega, sorrir, estigmatiza, esquece e por ai vai.


Há os que escondem-se por sua própria vontade; outros vivem ocultos sem saberem disso; e por fim, os que de fantasia se sustentam e sobrevivem. Elas são necessárias. Precisamos delas. Mas como nos bailes que acontecem no ano, elas não podem ser usadas o tempo todo. Precisam ser descartadas de vez em quando e dar lugar à nossa verdadeira identidade.


Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional, psicanalista e professor universitário em Goiânia-GO.

4 comentários:

Dani disse...

"Caramba"...
mas é isso mesmo, vivemos em um mundo de mascarados... e mais, acho até que para algumas pessoas essas mascaras irão para o túmulo com elas sem que saibamos quem foram realmente.

Paulo está de parabéns, gostei muito de ler seu artigo.

Júnia L. disse...

Gostei muito da postagem,

Parabéns!

pauloveras disse...

Douglas, de novo, muito otbigado pela consideração. Obrigado à Dani e à Junia. A foto, também ficou muito boa. Abraços.

Júnia L. disse...

Deixei dois selinhos para você em meu blog,
fique a vontade para pega-los se quiser.
Bjao